É TEMPO DE BRINCAR

é tempo de brincar

Quando as crianças brincam

E as ouço brincar

Qualquer coisa em minha alma

Começa a se alegrar

Fernando Pessoa

É tempo de brincar

Chamem as crianças nas casas

Conclamem a infância prás ruas

Pois é tempo de brincar

é tempo de brincar

Imagem: criancaenatureza.org.br

Diz o poeta

Quando as crianças brincam

E as ouço brincar

Qualquer coisa em minha alma

Começa a se alegrar

 

Convoquem grandes e pequenos

Para a alegria contagiante

Das brincadeiras e cantigas de roda

Esconde-esconde, pega-pega

 

é tempo de brincar

É tempo de iluminar becos e praças

Com olhos de crianças curiosas

Com sorrisos de descobertas

 

 

 

É tempo de comungar com a vida

Que pulsa incessante pelo meio fio

E fazer da infância um fio inteiro

 

Anunciem aos quatro ventos

Que ser criança é natural

É ter pés descalços

Prá pisar no mundo da Lua

 

é tempo de brincar

É ver tromba de elefante

Se transformar em roda gigante

Na imensidão do céu azul

 

 

 

 

 

Invadam as vilas

Libertem seus corpos brincantes

Do mundo quadrado dos quartos

Das celas de aula, das telas

 

Resgate-os para serem protagonistas

Num palco de terra,

Num cenário de verde, de flores

De aromas e texturas reais

 

é tempo de brincar

Imagem: bikeélegal.com

Devolvam à infância o gosto bom

Da aventura e da liberdade

De crescer solta

De mãos dadas com outras crianças

 

Antes que seja tarde

Antes que a última criança feneça

E não acredite mais

Que o mundo é bom, belo e verdadeiro

 

devolvam o tempo de brincar na educação infantil

 

Sinto me profundamente tocada com o cenário atual da infância. As mudanças sociais ocorridas nas últimas décadas alteraram a estrutura da vida familiar e a vida da criança. A crescente urbanização associada ao medo da violência, geraram isolamento e contribuíram para uma cultura de confinamento. Os hábitos de vida de hoje desfavorecem o convívio social, atividades físicas ao ar livre, a imaginação e autonomia da criança.

Estamos adoecendo a infância. Dados mundiais apresentados pelo psicólogo Peter Gray na 20ª Reunião Internacional da Associação Internacional do Brincar – IPA, que aconteceu recentemente em Calgary, no Canadá, revelam que a depressão infantil já é de 7 a 10 vezes maior que nos anos 60, os transtornos de ansiedade entre as crianças cresceu até 18 vezes e as taxas de suicídios até 15 anos estão 4 vezes maiores. Ao mesmo tempo, o brincar livre das crianças vem diminuindo significativamente desde 1955.

Não é preciso muito esforço para correlacionar estes dados e concluir que trata-se de causa e efeito. Por esta razão é que fazemos este apelo: devolvam à infância o tempo e espaço de brincar livre.

 

Brincar é condição indispensável para que a criança se desenvolva de maneira saudável. Brincar é potência de crescimento humano, tanto quanto falar e andar.

 

Leia também: DEVOLVAM O TEMPO DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

 

Educando Tudo Muda participou a semana passada do I Encontro Natureza e (des) Medicalização. Em pauta muitos temas que precisam ser debatidos pela sociedade, entre eles o aumento da medicalização infantil e de toda a sociedade, a necessidade de uma escola mais aberta e verde, uma cidade que acolha a criança, e uma comunidade responsável pela infância.

Apresentamos neste evento o projeto Playoutside – alegria de brincar na natureza, que tem como proposta realizar encontros de crianças e seus familiares em parques públicos, com o intuito de restabelecer o vínculo emocional das pessoas com o mundo natural para promover saúde e bem estar.

Como pais e educadores, temos a responsabilidade de desenvolver uma consciência que entenda a cultura da infância como uma etapa particular do processo de iniciação do humano, de forma a garantir a sobrevivência de nossa espécie.

Se você se inquieta com estas questões, compartilhe este texto e deixe seu comentário para que possamos refletir sobre mudanças que favoreçam a vida das crianças na cidade.

Fica aqui a continuidade do poema de Fernando Pessoa

E toda aquela infância
Que não tive me vem,
Numa onda de alegria
Que não foi de ninguém.

Se quem fui é enigma,
E quem serei visão,
Quem sou ao menos sinta
Isto no coração.

5-9-1933
Poesias. Fernando Pessoa.
Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995). – 166

Abraço esperançoso

Ana Lúcia Machado

 

 

 

LEAVE A COMMENT

RELATED POSTS