Browsing Tag

educação dos filhos

O QUE É UM BOM BRINQUEDO? – INFÂNCIA E CONSUMO

O que é um bom brinquedo - Infância e consumo

O que é um bom brinquedo para a criança? Na qualidade de mãe, pai  ou educador, você já fez essa pergunta?

Sabia que o mercado brasileiro de brinquedos, na contramão da crise,  registrou faturamento de R$ 10,5 bilhões em 2017 – representando um crescimento de 8,5% em relação a 2016?  (Fonte: site Exame)

Na edição deste ano da Feira Internacional de Brinquedos, foram apresentados cerca de 1.500 lançamentos, entre brinquedos em geral, colecionáveis e educativos, jogos, pelúcias, artigos para festas, fantasias, etc. Somente em 2016, o mercado brasileiro contou com mais de 9.000 modelos de brinquedos.

O que é um bom brinquedo - Infância e consumo

Em comparação a outros mercados, o Brasil é um campo fértil para investimentos e crescimento. Na Europa as crianças são presenteadas com, aproximadamente, 30 brinquedos per capita no ano; nos EUA são 28 presentes, enquanto os brasileiros dão às crianças, apenas, 6 brinquedos por ano, levando em conta a média entre as aquelas que ganham e as que não. Dessa forma, somos um mercado promissor.

 

Considerando essas importantes informações, vê-se o quanto a criança é alvo de um mercado ávido pelo aumento das curvas de vendas.

E entre uma curva e outra, é nosso dever saber avaliar o que realmente é um bom brinquedo para as crianças.

Pare e pense nestas perguntas:

É preciso brinquedo prá brincar?

Existe brincadeira sem brinquedo?

O que as crianças buscam ao brincar?  

Diante de um brinquedo devemos nos perguntar: este brinquedo é capaz de mover interiormente a criança?

 

BRINCAR – MOTOR QUE MOVE A CRIANÇA

É importante compreender o brincar como um motor que move a infância. Brincar brota da alma infantil. É um processo de ativação da criança. E como todo processo, é algo vivo, que se manifesta numa sucessão de etapas e se expressa em gestos e formas maleáveis, moldáveis, permitindo a criança criar, construir, desmanchar e transformar.

As crianças tem seus próprios interesses e narrativas pessoais, estão imbuídas de desejos que necessitam de liberdade de criação e expressão. Liberdade de decidir como brincar e com o que brincar.

O que é um bom brinquedo - Infância e consumo

Imagem: Raphael Bernadelli

A criança é o centro do brincar e não o brinquedo em si. A potência encontra-se na criança e não no objeto. Sendo assim, brinquedos e brincadeiras são partes de uma construção autoral, elaborada por meio de um processo espontâneo e autêntico de cada criança.

A indústria de brinquedos despeja no mercado todos os anos exatamente o oposto ao que acontece no processo do brincar infantil. Susan Linn, psicóloga norte-americana, autora do livro  ‘Crianças do consumo: a infância roubada’, diz que “uma boa brincadeira é 90% a criança e 10% brinquedo”. Os brinquedos industrializados, os brinquedos prontos, oferecidos no mercado hoje, fazem exatamente o inverso, sobrepõem-se a potência da criança.

 

 

 

PARÂMETROS PARA AVALIAÇÃO DE UM BOM BRINQUEDO

Um bom brinquedo é aquele que permite que a criança seja ativa e não mera expectadora ou executora frente à ele.

Um bom brinquedo é aquele que propicia que a imaginação da criança voe alto, que coloca corpo e alma em movimento, que amplia as experiências sensoriais.

Um bom brinquedo é aquele que abre possibilidades de atuação da criança, seja em sua criação, construção, complementação, ou transformação.

Um bom brinquedo permite a criança sonhar e criar, imaginar e fazer. É inventado a partir do corpo e das mãos da própria criança.

A natureza da criança é curiosa. Criança gosta de investigar, explorar, descobrir, até mesmo transgredir.

Minha mãe conta que certa vez meu irmão, 2 anos mais novo que eu, ganhou um robô que se movimentava, acendia luzes e emitia sons. Não demorou muito para ela vê-lo sentado no chão martelando todo o brinquedo para descobrir o que tinha dentro dele que fazia com que ele se mexesse, fosse luminoso e emitisse sons. Faz parte da criança essa vontade de descobrir o que está por trás, dentro das coisas, saber como as coisas são feitas, como funcionam.

O que é um bom brinquedo - Infância e consumo

É comum ouvirmos histórias de crianças que ao ganhar um brinquedo novo se interessam mais pela caixa do que pelo brinquedo. Há também relatos de crianças que brincam 5 minutinhos com o brinquedo que acabaram de ganhar e logo perdem o interesse e correm para brincar com as panelas, colheres de pau, construir cabanas, etc. Por que isso acontece?

É preciso entender o ciclo do brincar. Brincar acontece em etapas, é processo, como já mencionado no artigo Processos de vida e a infância , leia.

No filme ‘Tarja Branca’, o documentarista David Reeks em seu depoimento, fala sobre a liberdade de criação da criança,  e explica que primeiro a criança pensa em brincar com algo, ela deseja brincar de determinada forma. A partir dessa ideia, ela elabora maneiras possíveis de realizar a brincadeira, buscando reunir e compor materiais para alcançar seu objetivo. Então ela mesma constrói seu brinquedo e com o brinquedo pronto ela brinca, fechando assim o ciclo.

Rubem Alves em suas memórias de infância contadas no livro ‘Quando eu era menino’, fala que “fazer brinquedos era a parte mais divertida do brincar”.

O brinquedo pronto entregue nas mãos da criança, causa ruptura no ciclo do brincar, indo direto para a etapa final do processo. Reeks acrescenta que  “a criança pega o brinquedo industrializado e logo se desinteressa por ele, e passa prá outro, ela não se vincula ao brinquedo porque não foi ativa no processo criador”.

É preciso entender que os brinquedos prontos eliminam o elemento de criação e construção, e isso não alimenta a alma da criança. É como se ela comesse apenas carboidratos simples, que são logo digeridos pelo organismo, provocando em pouco tempo fome de novo. Isso gera um vazio na criança, uma sensação constante de insatisfação, e até mesmo frustração, levando a criança a querer e pedir sempre mais.

O brinquedo torna-se um bom brinquedo quando nutri a alma da criança e exercita sua imaginação criadora.

 

LEIA TAMBÉM: UM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA

 

Quanto menos estruturado e cheio de detalhes for o brinquedo, mais exigirá da criança e permitirá o uso da imaginação e criatividade. Quanto mais simples ele for, maior a liberdade da criança em transformá-lo em outra coisa de acordo com o enredo da sua brincadeira.

Brinquedos industrializados tem função específica. Normalmente são de plástico, sem cheiro, frios e lisos ao tato. São leves – possuem tamanho desproporcional ao peso, de cores  fortes e antinaturais. Características que induzem a criança a falsas sensações.

E mais, esse tipo de brinquedo, e aqui estão inclusos os brinquedos digitais, criam uma situação de passividade na criança, provocam uma atrofia psíquica, um empreguiçamento e empobrecimento da vida interior da criança.

Por fim, brinquedo bom é aquele que funciona e é movido pela energia da própria criança, por sua imaginação e capacidade criadora. É a força interior da criança que coloca em movimento objetos, que reúne materiais e compõem um todo repleto de sentido, produzindo alegria.  Essa mesma energia movimenta também o corpo da criança promovendo seu desenvolvimento e gerando saúde. 

O que é um bom brinquedo - Infância e consumo

Te convido a olhar seu entorno e perceber a quantidade de materiais do cotidiano que podem virar brinquedos nas mãos das crianças – caixas de papelão, rolhas, caixinhas de fósforos, etc.

Te convido a observar a natureza num passeio ao parque e descobrir o lúdico ao alcance das mãos – gravetos, sementes, folhas, pedrinhas, etc, que magicamente podem se transformar em brincadeiras divertidas.

Te convido a romper paradigmas, e repensar o consumismo na infância.

Abraço caloroso

Ana Lúcia Machado

MEMÓRIAS DE INFÂNCIA – FONTE DE VIDA

memórias de infância fonte de vida

 

memórias de infância força da vidaMemórias de infância, você conhece o poder que elas tem? São fonte de vida.

A infância é o período no qual edificamos as bases que sustentarão tudo o que virá depois – chão firme que apoiará todos os passos. É também um fase mágica, onde o brincar e a imaginação constroem memórias afetivas cheias de significado que irão perdurar por toda a existência.

Engana-se quem pensa que o começo da vida é uma etapa que fica para trás depois que viramos adultos. É um ciclo vivo, que volta, e se renova. Ecos da criança que fomos continuam a ressoar dentro de nós no decorrer da vida.

Nas palavras do romancista Franz Hellens

A infância não é uma coisa que morre em nós e seca uma vez cumprido o seu ciclo. Não é uma lembrança. É o mais vivo dos tesouros e continua a nos enriquecer sem que o saibamos

 

São essas memórias que trazem alento e vitalidade na fase adulta. Recordações pueris que representam refúgio nos momentos mais difíceis da trajetória humana.

memórias de infância fonte de vida

Além disso, acessar as memórias de infância é sinônimo de renovação, energia e criatividade. Reconectar-se com a criança interior auxilia no relacionamento e educação dos filhos. No caso de profissionais que lidam com crianças, contribui para a formação de vínculos e compreensão sobre o universo infantil.

O nascimento de uma criança é momento de renascimento dos pais. Temos diante de nós, nossa própria concepção. Ao olhar a criança, descobrimos a nós mesmos, como uma imagem refletida no espelho.

Quando a criança nasce, o ser mãe, e o ser pai, nascem juntos. À medida que o bebê vai crescendo, amadurecemos e nos desenvolvemos na qualidade de pais.

 

Memórias de infância como aliadas

As memórias de infância são grandes aliadas no processo de educação dos filhos. Elas dão energia e ao mesmo tempo nos tornam mais sensíveis ao universo infantil, por nos aproximar da essência da criança.

Enquanto os filhos crescem, temos a nossa frente oportunidade de viver de novo a própria infância. É um período rico de crescimento para os pais, uma vez que a maternidade e a paternidade são uma construção contínua.

Recordar a infância nos permite reviver sentimentos potentes que ajudam na tarefa desafiadora de educar. A intuição é ativada por esses sentimentos que emergem das profundezas, nos tornando mais confiantes.

 

Leia também:

DE QUE É FEITA A INFÂNCIA?

SABOTADORES DA INFÂNCIA

 

 

Mais do que dicas de livros que sugerem como agir com os pequenos,  o que realmente precisamos é nos ancorar na sabedoria que carregamos dentro de nós por meio das próprias experiências como adultos e vivências infantis.

memórias de infância fonte de vida

Podemos afirmar que as memórias de infância tem a função de guardiã e facilitadora  da infância dos filhos.

Nesta trajetória de volta ao começo é possível descobrir a existência de uma memória imaginária, livre da rigidez de fatos reais na linha do tempo, pois a infância ultrapassa esses limites e avança para uma memória reinventada, à medida que aquele que recorda não é mais o mesmo que vivenciou as experiências.  O vivido, o sonhado e imaginado se fundem, fazendo renascer a força da infância – uma força a favor da vida.

Passear por quintais de outras infâncias também pode trazer muito vigor e instigar um repertório lúdico para ser exercitado com as crianças. É uma forma de nutrir o olhar, aumentar a capacidade de escuta e assim desfrutar de ótimos momentos em família. Há excelentes livros de autores que se debruçaram sobre o relato de suas memórias de infância. Mas esse é assunto para outro artigo.

 

Ana Lúcia Machado

abraço carinhoso

 

 

 

COLECIONADORA DE INFÂNCIAS – para que servem as lembranças da infância?

colecionadora de infâncias

Sou colecionadora de infâncias. Isso mesmo, coleciono  primeiras memórias. Tenho em minha coleção a infância de muitas crianças. Entre elas a de Rubem Alves, Fernando Sabino, Manoel de Barros, Lya Luft, Érico Veríssimo, José Saramago, Pablo Neruda , e outras. A lista é grande.

Colecionadora de infâncias

Recentemente entraram na minha coleção as passagens marcantes da infância de Antonio Prata, descritas em seu livro “Nu, de botas”. Não haveria melhor maneira para iniciar suas memórias do que  “No princípio, era o chão”. É deste patamar que a criança começa a enxergar o espetáculo do mundo  e apreendê-lo.

Para nós adultos, é difícil entender a lente pela qual as crianças veem o mundo. Porém, se conseguirmos exercitar nossa visão, teremos diante de nós a chance de nos reencantarmos com as coisas simples da vida.

 

colecionadora de infâncias

Janusz Korczak, pediatra e educador (1878-1942), profundo conhecedor da alma da criança, advertia aos que se declaravam cansados do convívio com crianças dizendo:

 – Vocês dizem ainda: “Cansa-nos porque precisamos descer ao seu nível de compreensão”. Descer. Rebaixar-se, inclinar-se, ficar curvado. Estão equivocados. Não é isso o que nos cansa, e sim o fato de termos de elevar-nos até alcançar o nível de sentimentos das crianças. Elevar-nos, subir, ficar nas pontas dos pés, estender a mão. Para não machucá-las”.

Nesta coleção, em primeiríssimo lugar está  a minha própria infância, a menina que fui, que permanece em mim e continuo sendo, pois a infância não é um tempo perdido, continua a existir e reverberar ao longo da existência, como afirma Franz Hellens  ao dizer: “A infância não é uma coisa que morre em nós e seca uma vez cumprido o seu ciclo. Não é uma lembrança. É o mais vivo dos tesouros e continua a nos enriquecer sem que o saibamos”.

Não se trata de romantizar a infância, nem de ser nostálgica, trata-se apenas de significá-la, dando lhe o devido valor. Infância é fundamento, base da vida, terreno sob o qual erguemos nossa existência, daí sua relevância. Infância faz parte da gente e deve estar sempre à mão para ser lembrada. Talvez se políticos, pais, educadores, toda  a sociedade, tivessem a consciência da sua importância, daríamos maior atenção ao começo da vida, haveria maior investimento por parte dos governos para o cuidado com a primeira infância.

Colecionadora de infâncias

MAS PARA QUE SERVE RECORDAR A INFÂNCIA?

Para responder esta pergunta, recorro a uma das mais enigmáticas infâncias da minha coleção, a infância de Binjamim Wilkomirski. Binjamim,  que teve sua infância nos atribulados anos de 1939 à 1948, vivendo os horrores dos campos de concentração nazista, surpreende ao dizer que “Quem não se lembra de onde vem jamais saberá ao certo para onde está indo”.  Suas memórias estão relatadas em um pequeno livro intitulado “Fragmentos”.

Partindo deste aspecto norteador das memórias de infância,  quero compartilhar uma experiência desta semana. Em uma reunião  numa escola, conversando com  a diretora  e proprietária da instituição, para falar do projeto Playoutside – alegria de brincar na natureza, me chamou muito a atenção um comentário feito por ela  dizendo que os pais atuais dão a impressão de terem se esquecido de sua própria infância.

As memórias de infância são grandes aliadas no processo de educação dos filhos. Elas dão força e ao mesmo tempo nos tornam mais sensíveis ao universo infantil, por nos aproximar da essência da criança.

Enquanto as crianças são pequenas e crescem, temos diante de nós a oportunidade de revivermos nossa própria infância. É um período rico de crescimento para os pais também,  pois a maternidade e a paternidade são uma construção contínua. Quando a criança nasce, o ser mãe, e o ser pai,  nascem juntos. Vamos amadurecendo e nos desenvolvendo como pais à medida que o bebê vai crescendo.

A lembrança que carregamos da nossa eterna criança, enriquece a relação com os filhos. Recordar nossas brincadeiras favoritas, as histórias que ouvíamos, o que gostávamos de comer, é uma fonte inesgotável de prazer e alegria. Trata-se de uma ferramenta poderosa que podemos usar no dia a dia com as crianças.

Com essas lembranças revivemos sentimentos imbuídos de força que nos ajudam a seguir com a tarefa desafiadora de educar. Resgatar esses sentimentos ativa nossa intuição e nos torna mais confiantes. Mais do que dicas de livros que nos sugerem como agir com os pequenos,  o que realmente precisamos é nos ancorar na sabedoria que carregamos dentro de nós por meio de nossas próprias experiências como adultos e crianças.

Diante do novo, do desconhecido que se apresenta à nossa frente ao longo do desenvolvimento da criança, é preciso se permitir o estado de dúvida e o tempo de amadurecimento das respostas. Não existe resposta pronta, imediata, como receita de bolo, pois cada criança é singular e a resposta vem da relação com a própria criança, é o que orienta a psicanalista Julieta Jerusalinsky. Como especialista em clínica infantil, a psicanalista faz uma séria advertência dizendo que “os pais nunca estiveram tão destituídos do saber como estão na atualidade”.

Podemos afirmar que nossas memórias de infância tem a função de guardiã e facilitadora  da infância de nossos filhos, ativando nosso lado intuitivo e resgatando nossa confiança.

Mas, os benefícios que tais lembranças  trazem, não param por aí. No livro “Criança brincando! Quem a educa?”,  a pedagoga Luiza Lameirão aponta outros aspectos positivos que essas recordações  podem oferecer:

 

 colecionadora de infâncias

 

 

Sendo assim todos saem ganhando, pais e filhos.

Gaston Bachelard, filósofo e poeta francês, fala que “o devaneio voltado para a infância nos restitui à beleza das imagens primeiras”, faz do agora um tempo mais belo.

Compartilho aqui  pequenos fragmentos da minha coleção que remetem ao chão da criança, lugar onde pais e educadores devem se colocar para respeitar o tempo e espaço delas:

 

“No piso do quintal, ladrilhado com cacos de cerâmica vermelha, via um elefante de três pernas, um navio, um homem de chapéu fumando cachimbo. Na manhã seguinte, as imagens haviam mudado: o homem de chapéu era um bolo mordido; o elefante, parte de um olho enorme – a tromba, um cílio -; o navio zarpara, deixando para trás apenas cacos de cerâmica vermelha no piso do quintal”. Antonio Prata em Nu, de botas

 

“…Deitada no assoalho de tábuas claras enceradas. Frescor de madeira contra pernas e peito. Espio embaixo de um móvel.

Sempre aquela tentação de procurar o escondido. O desejo da surpresa e o desinteresse pelo evidente demais.

Poeira e sombra. Movimento rápido, vento num rolo de poeira e fios. Vou descobrir, vou entender, vou tocar aquilo que se move e ali me chama. Algo cintila no escuro : um caco de vidro, um tesouro…um olho espiando? Eu sei, tenho certeza de que não é apenas um novelo de poeira e fios: está vivo e será meu.

Mas quando o estou quase alcançando chegam os passos rápidos da mãe onipresente, e o encanto se desfaz:

-Levanta daí, vai se sujar de novo, você acabou de tomar banho! Lya Luft em Mar de dentro

 

“Cresci brincando no chão, entre formigas. De uma infância livre e sem comparamentos. Eu tinha mais comunhão com as coisas do que comparação. Porque se a gente fala a partir de ser criança, a gente faz comunhão: de orvalho e sua aranha, de uma tarde e suas garças, de um pássaro e sua árvore. Então eu trago das minhas raízes crianceiras a visão comungante e oblíqua das coisas. Eu sei dizer sem pudor que o escuro me ilumina. É um paradoxo que ajuda a poesia e que eu falo sem pudor. Eu tenho que essa visão oblíqua  vem de eu ter sido criança em algum lugar perdido onde havia transfusão da natureza e comunhão com ela. Era o menino e os bichinhos. Era o menino e o sol. O menino e o rio. Era o menino e as árvores.” Manoel de Barros em Memórias inventadas

 

 “Naquele dia, assim que a chuva passou, fui como sempre brincar no quintal. Descalço, pouco me incomodando com a lama em que meus pés afundavam, gostava de abrir regos para que as poças d’água, como pequeninos lagos, escorregassem pelo declive do terreiro, formando o que para mim era um caudaloso rio. E me distraía fazendo descer por ele barquinhos de papel, que eram grandes caravelas de piratas.

Desta vez, o que me distraiu a atenção foi uma fila de formigas a caminho do formigueiro, lá perto do bambuzal, e que o rio aberto por mim havia interrompido. As formiguinhas iam até a margem e, atarantadas, ficavam por ali procurando um jeito de atravessar. Encostavam a cabeça umas nas outras, trocando idéias, iam e vinham, sem saber o que fazer. Algumas acabavam tão desorientadas com o imprevisto obstáculo à sua frente que recuavam caminho, atropelando as que vinham atrás e estabelecendo na fila a maior confusão”. Fernando Sabino em O menino no espelho

 

Está lançado o desafio: exercite o recordar de sua infância e perceba o efeito que isto pode produzir em você mesmo e ao seu redor.  Isso vale também para os professores. Bom trabalho! E se quiser deixar nos comentários abaixo algumas de suas lembranças de infância, será uma alegria te incluir nesta coleção.

“O menino é pai do homem”.

William Wordworth

 

Abraço carinhoso

Ana Lúcia Machado

 

 

 

 

 

Sua família é uma ilha?

Você alguma vez já pensou nesta pergunta? Sua família é uma ilha? É uma excelente reflexão para os pais novos. Ao longo deste artigo você vai entender a razão.

Tenho feito um trabalho de intermediadora de diálogos após sessões de exibição do filme “O começo da vida”. Tem sido uma tarefa enriquecedora e gratificante.

Para quem não conhece, este filme foi lançado em maio deste ano. É um documentário sobre a importância dos primeiros anos de vida. Filmado em 9 países, mostra famílias de diversas culturas, etnias e classes sociais, com depoimentos de crianças, mães, pais, além de entrevistas com inúmeros especialistas em desenvolvimento infantil. O filme foi produzido pela cineasta brasileira, Estela Renner. O trabalho de produção durou 3 anos. Foram 400 horas de filmagem. A diretora e sua equipe rodaram  4 continentes. O filme é belíssimo. Já assisti diversas vezes e toda vez que assisto novamente me emociono, tal a sua força , sensibilidade e delicadeza.

Sua família é uma ilha?

É uma proposta de reflexão sobre a relevância dos primeiros 6 anos de vida das crianças e o impacto deste período na formação e desenvolvimento dos potenciais que cada indivíduo poderá ser capaz de cultivar ao longo da existência. Ele nos desperta para os cuidados com a primeira infância, e reforça que as crianças são o futuro da humanidade.

Há uma passagem maravilhosa no livro “Grande Sertão Veredas“ de Guimarães Rosa que fala assim: “Uma criança nasceu. O mundo tornou a começar.” O milagre do recomeço do mundo acontece a cada novo nascimento. O mundo recomeça todas as vezes que, vencendo tantas forças contrárias, a vida sobrevive. A primeira força que a criança tem que fazer é lutar para passar pelo canal de nascimento. Esta é a 1ª jornada do herói.

Após o nascimento, a criança passa pela 2ª gestação, a gestação extra uterina e social.  Ao nascer a criança é entregue às mãos humanas, num verdadeiro útero social formado pela família, pela escola e por toda a comunidade.  A criança se forma através de relações de amor com os pais, irmãos, avós, professores, amigos, com outras crianças, com a natureza, etc… A infância é o chão sobre o qual cada ser humano constrói a sua vida. É um período curto, mas que tem uma potência enorme, que nos enriquece e perdura por toda a vida.

Sua família é uma ilha?

Uma  entrevista que me impactou bastante no filme, foi  com a médica Dra. Vera Cordeiro, fundadora da Associação Saúde Criança. Ela diz que a criança chega com tanta energia, com tanta criatividade, que a mãe só não dá conta. É necessário pai, avós, vizinhos… é necessário toda a comunidade para que a criança se desenvolva e  ela cita um provérbio africano – “É necessário uma vila para educar uma criança.”

Isto me levou a refletir sobre como é árdua a jornada de educação dos filhos e como precisamos de suporte para enfrentar tantos desafios que se impõe diante de nós ao longo dos anos de formação deles.

É muito importante quando podemos contar com a presença dos avós, tios, amigos, vizinhos. É fundamental criarmos uma rede de apoio. É reconfortante saber que temos a quem recorrer em momentos difíceis. Fica mais fácil quando temos contato com outras famílias com crianças e que podemos promover encontros e interações entre elas.

Sua família é uma ilha?

As escolas que meus filhos frequentaram tiveram papel relevante sob este aspecto ao estimular o convívio entre as famílias por meio de organização de passeios, encontros fora da escola. Vivenciamos uma grande integração entre nós, o que contribuiu para o estabelecimento de vínculos mais fortes que perduram até hoje.

As dificuldades da vida nos grandes centros urbanos de certa maneira nos levaram ao isolamento. A violência crescente gerou muita insegurança e fez com que erguêssemos muros e perdêssemos o sentido comunitário. Mas para se desenvolver, a criança precisa de círculos de amizade onde possa se expandir gradualmente. Principalmente os jovens, que a partir dos 14 anos vão se separando dos pais e conhecendo o mundo. Nesse momento a rede social criada e cultivada durantes anos, poderá funcionar como uma ponte segura na transição da adolescência. Na verdade os filhos não pertencem aos pais, eles pertencem à família toda, a comunidade local e a humanidade inteira. Por isso que refletir sobre a pergunta – Sua família é uma ilha? – é extremamente importante.

Sua família é uma ilha?

Sinto profunda gratidão por toda a rede social que me ajudou na educação dos meus filhos. Sou grata aos meus pais, irmãos, sogros, amigos, pessoas sensacionais que foram verdadeiras âncoras e que  doaram tempo e muito amor à eles.

Vale a pena nutrir esses relacionamentos! Vale a pena assistir o filme!

abraço carinhoso

Ana Lúcia