Browsing Category

Educando

UM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA – BRINCADEIRAS COM A TERRA, ÁGUA, AR E FOGO

Um brinquedo chamado natureza

 

Um brinquedo chamado natureza. De qual brinquedo estamos falando?

Talvez você não saiba, mas o melhor brinquedo do mundo para a criança é a própria natureza – brinquedo bom, bonito e barato, acessível, ao alcance de todas as crianças.

A vida nos centros urbanos tem roubado de nós coisas que nos são caras, a liberdade da infância e o convívio familiar. Este é um convite para investirmos numa infância com menos tecnologia e mais terra, menos consumismo e mais brincadeiras ao ar livre, menos coisas e mais vivências sensoriais. Um convite para se resgatar um cotidiano mais simples e natural, sem pressa, com mais leveza, escuta e calor humano.

As vivências, explorações, descobertas e brincadeiras ao ar livre colocam a criança em contato com as forças vitais dos quatro elementos – terra, água, ar e fogo – com ciclos de vida e morte,  fluxos vivos, ritmos e processos dinâmicos, aguçando os sentidos, a imaginação e o sentimento de pertencimento, das raízes com a Terra e respeito por ela.

UM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA

Projeto Playoutside

Cada um dos elementos permite que a criança mobilize dentro de si forças imaginativas e criadoras. Com os achados e coletas de materiais orgânicos durante uma caminhada no parque, galhos viram espadas ou varinhas de condão. Folhas e flores ora podem ser decoração de um lindo bolo, ora adorno de uma coroa na cabeça. São brinquedos da natureza.

CONHEÇA O PROJETO PLAYOUTSIDE – ALEGRIA DE BRINCAR NA NATUREZA

Esta é a magia do brincar na natureza, a mágica dos brinquedos naturais, que sem forma estruturada e função definida, permitem infinitas possibilidades, algo sempre diferente e novo. Esta é a força interior das crianças em ação. Elas subvertem materiais, criam brinquedos e inventam histórias de acordo com o enredo de suas brincadeiras.

Cada elemento tem característica  própria e sugere um tipo de brincadeira. Existem infinitas possibilidades de brincar com a terra, a água, o ar e o fogo.

 

UM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA – OS QUATRO ELEMENTOS

 

AS FORÇAS MAIS PROFUNDAS QUE VIVEM NO ÍNTIMO DA CRIANÇA, SÓ PODEM SER TOCADAS E AVIVADAS PELO BRINQUEDO MAIS SADIO DO MUNDO : O BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA   RUDOLF KISHNICK

 

 

TERRA

UM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA

As brincadeiras com a terra estimulam a curiosidade infantil. A criança quer investigar e conhecer o interior das coisas, aquilo que se encontra oculto. Daí as brincadeiras de cavar buracos profundos na terra ou areia para quem sabe chegar ao outro lado do mundo.

No tanque de areia as crianças são como arquitetos de grandes construções, podem erguer pontes e castelos, assumindo a identidade de princesas e príncipes. Podem ser exímios chefes de cozinha no preparo de deliciosos bolinhos e comidinhas lindamente decoradas com folhas e flores.

 

 

ÁGUA

UM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA

Retratos pra Yayá – Irmina Walczac

As brincadeiras com água remetem à importante memória intrauterina. Afinal trata-se do primeiro elemento com o qual a criança teve íntimo contato durante o período gestacional.

Brincar com água rapidamente vira festa, cheia de alegria. São assim as brincadeiras à beira mar ou com bacias d’água, enchendo e esvaziando baldes e potes incansavelmente.

Pisar em poças d’água ou tentar transpô-las com grandes pulos é unanimidade entre crianças de idades variadas, assim como as guerras de água, ou ainda as bolhas de sabão.

 

 

 

 

 

AR

UM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA

As brincadeiras com o ar colocam o corpo da criança em movimento, estimulando o correr, pular, voar, soprar, etc. Elas instigam a vontade de voar, tornando populares as capas de heróis e asas de borboletas criadas pelas crianças.

Também há os famosos aviões de papel, as pipas coloridas que riscam o céu, e até mesmo o prazeroso sopro na flor Dente-de-leão encontrada pelo caminho.

 

 

 

FOGOUM BRINQUEDO CHAMADO NATUREZA

O fogo exerce fascínio nas crianças, suscita respeito e temor ao mesmo tempo. Diante de uma fogueira, as crianças se encantam com a dança das labaredas, com o estalar das madeiras e ao jogar gravetos nas chamas.

Brincar com a sombra também é divertimento garantido entre elas, que correm na tentativa de pisar na sombra umas das outras projetadas no chão.

 

BRINCAR É COISA SÉRIA

Brincar é o ofício e expressão natural da criança.

As formas e movimentos primordiais vivenciados por meio do brincar com os elementos naturais refletem o  profundo equilíbrio do Cosmo, que é assimilado com admiração e veneração pela criança.

A qualidade do brincar na natureza é carregada de significado e incomparável, pois  a energia viva advinda do mundo natural impregna a organização corpórea da criança e contribui para o desenvolvimento infantil saudável,  auxiliando nas defesas naturais do organismo.

LEIA TAMBÉM: 36 MOTIVOS PARA CONECTAR AS CRIANÇAS A NATUREZA

A natureza é grande mestra. Em contato com o mundo natural as crianças brincam e ao mesmo tempo aprendem e sobre tudo criam vínculo afetivo com a mãe Terra, tornando-se cuidadores do meio ambiente.

 

Um brinquedo chamado natureza

Não dê às crianças brinquedos caros, estruturados, tecnológicos. Ofereça a elas oportunidades que propiciem o exercício da imaginação, a criatividade; oportunidades de criar seus próprios brinquedos a partir do fazer do corpo, das mãos da criança, feitos com materiais da natureza e que possam ser explorados de diversas formas, que possam ser transformados naquilo que a brincadeira das crianças quiser. Dê a elas um brinquedo chamado natureza.

Infância rica em vivências sensoriais e lúdicas não precisa de brinquedos industrializados e sim de experiências por meio do brincar livre em contato com o mundo natural. Invista seu tempo enquanto pai e mãe em momentos assim.

Pense neste poema:

O menino rico

Nunca tive brinquedos.

Brinco com as conchas do mar

E com a areia da praia;

Brinco com as canoas dos coqueiros

Derrubados pelo vento;

Faço barquinhos de papel!

E minha frota navega

Nas águas da enxurrada;

Brinco com as borboletas nos dias de sol.

E nas noites de lua cheia

Visto-me com os raios de luar.

Na primavera teço coroas de flores perfumadas.

As nuvens do céu são navios, são bichos, são cidades.

Sou o menino mais rico do mundo,

Porque brinco com o Universo,

Porque brinco com o infinito.

(Maria Alceu N. S. Ilnzinger)

 

Ofereça a elas oportunidades que propiciem o exercício da imaginação, a criatividade; oportunidades de criar seus próprios brinquedos com materiais naturais que possam ser explorados de diversas formas, que possam ser transformados naquilo que a brincadeira das crianças quiser. Dê a elas um brinquedo chamado natureza.

Quer conhecer outras interessantes brincadeiras com os elementos naturais? Faça  AQUI  downloud do E-book  BRINCANDO COM OS QUATRO ELEMENTOS DA NATUREZA e bom divertimento com a garotada.

Abraço brincante

Ana Lúcia Machado

O USO DO MUNDO DIGITAL PELAS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS

O uso do mundo digitalpelas crianças de 0 a 3 anos

O uso do mundo digital pelas crianças de 0 a 3 anos pode trazer prejuízos? A criança de 0 a 3 anos precisa das mídias digitais para se desenvolver bem? Quando uma criança deve ser exposta a mídias digitais?

Essas e outras perguntas são respondidas neste artigo pela Psicóloga, Psicanalista, Doutora em Psicologia Clínica USP-SP – Claudia Mascarenhas Fernandes, pela Professora Associada de Pediatria e Clinica de Adolescentes da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Evelyn Eisenstein, e pelo Médico Neuro Pediatra da Metaclinica e Neuro Fisiologista do Hospital Universitário Pedro Ernesto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Eduardo Jorge Custódio da Silva.

A CRIANÇA DE 0 A 3 ANOS E O MUNDO DIGITAL

Qual a idade para uma criança começar a ter acesso online a jogos, vídeos ou filmes? O smartphone pode ser considerado “brinquedo” ou ser usado como “distração”? Quais são as consequências a curto e longo prazo no desenvolvimento cerebral e mental de crianças que tem acesso às telas de televisões, computadores, notebooks ou celulares? Qual a importância do “tempo de telas” para crianças que estão na fase mais importante de seu crescimento e no início das descobertas do mundo à sua volta? Estas são algumas das questões mais urgentes de discussão entre os profissionais de saúde que cuidam de crianças e muitos pais que não sabem como se adaptar aos tempos das novas tecnologias na vida cotidiana junto com seus filhos, algo que iremos descrever neste artigo, como um início de conversa a ser aprofundada por cada um.

O uso do mundo digitalpelas crianças de 0 a 3 anos

Os três primeiros anos de vida constituem uma janela de oportunidades à promoção da saúde. É um período critico do desenvolvimento, quando observamos a fase de maior plasticidade cerebral (capacidade do sistema nervoso de se reorganizar e adaptar as redes neuronais em resposta às exigências ambientais/externas ou orgânicas/internas), ou seja, uma capacidade aumentada do cérebro em se remodelar em função das experiências da criança na descoberta do mundo à sua volta.

As funções cognitivas encontram-se localizadas nas áreas específicas do encéfalo. E para o desenvolvimento da maioria dos processos cognitivos, a interação afetiva positiva e a cooperação de neurônios nas conexões neuronais é fundamental.

No córtex cerebral é possível distinguir varias áreas de associação: Áreas pré-frontal (motora), córtex de associação parieto-temporo-occipital (sensorial), e o córtex de associação límbico (emocional).

Para que o desenvolvimento neuro-psicomotor, e nossas redes neurais se formem corretamente, o ser humano tem etapas a serem cumpridas, com os estímulos adequados a cada faixa etária. O apego positivo e a relação amorosa que a criança estabelece com a sua mãe, seu pai e sua família, ao seu redor, irmãos, tios, avós são fundamentais para o desenvolvimento do prazer nos relacionamentos futuros e a prevenção de muitos transtornos comportamentais e outras psicopatologias, mais tarde. É a formação do binômio mãe-filho e dos vínculos fundamentais para o conceito de família. Ser o “centro da atenção” com suas necessidades básicas é o aprendizado inicial da socialização, mas também das regras básicas da empatia e das respostas que surgirão às questões de convivência e sobrevivência. Por isso, insistimos na proteção familiar e social como fundamento essencial para o crescimento e desenvolvimento saudável dos primeiros anos de vida.

A psicanálise trabalha com a premissa de que “o Sujeito se constitui na sua relação ao Outro”. A psicologia perinatal trabalha com a idéia de que de 0 a 3 anos é momento da vida onde, mesmo que se queira, não se consegue separar corpo e psiquismo. A psicologia do desenvolvimento indica que até os 3 anos se espera que a criança fale na primeira pessoa, “eu”, pois está desenvolvendo a noção que não só existe, mas é uma pessoa muito importante pois quer ser reconhecida e demanda atenção total “do outro” mesmo sendo no caso uma criança. Essas três vertentes fazem levantar algumas questões sobre o uso do mundo digital pelas crianças de 0 a 3 anos.

Uma conseqüência dessa premissa inicial é que todo tipo de relação da criança com o mundo, para ser positiva e favorecer seu desenvolvimento global, precisa passar em alguma instância, pelas relações humanas que a envolvem e que começam a desenvolver com as pessoas da família com quem convive. A relação da criança com o corpo, com os objetos e com os seus semelhantes, está em todos os aspectos, sob esse envoltório maior de um mundo de desejo, de olhar, de palavra, dessa dependência inicial do humano a outro humano, e do espelho das ações dos outros à nossa volta, e que irá marcar as relações humanas, o início da sociabilização.

O USO DO MUNDO DIGITAL PELAS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS

Algumas conseqüências da exposição de crianças de 0 a 3 anos às telas e mídias digitais:

O CORPO ESTÁ FORA DA AÇÃO

Para uma criança conhecer o mundo e portanto se desenvolver, sua motricidade precisa estar engajada nesse projeto: de modo concreto, implica deslocamentos, movimentações, coordenações sensoriais, manipulações. É a inteligência sensório-motora. Até 2 anos, a pura imagem, além de não lhe ensinar nada (pois se traduz unicamente por movimentos em frente aos seus olhos) dificulta-lhe a aprendizagem quando economiza ou evita o engajamento do corpo no projeto de conhecer o mundo, começar a movimentar o corpo, engatinhar, andar, tocar objetos e alcançar com suas pernas e braços o mundo ao redor.

O CORPO FICA SEM SENTIR

De todos os sistemas sensoriais, a visão é o sistema mais complexo. No começo da vida, o sistema visual precisa de outros sistemas sensoriais para checar, confirmar e construir as percepções multissensoriais : sensações do tato, da audição, do calor/frio, além do gosto/paladar estão em formação, no desenvolvimento cerebral e mental.

Os sons são vibrações do meio externo que se transmitem ao órgão receptor da audição (ouvido), para o processamento no sistema auditivo e cerebral, e a localização espacial do som, é a identificação no espaço da fonte sonora, o que ajuda na atenção e na memória.

A visão e audição por si só não são suficientes para o desenvolvimento completo das habilidades de: alerta e atenção; motoras, cognitivas; regulação emocional; comunicação e interação social; organização do comportamento e do movimento..

Para um Corpo sentir e o psiquismo poder representar o mundo que entra pelas sensações, é preciso que todas as sensações (visão, audição, olfato, paladar, vestibular, propriocepção, tato) sejam percebidas, organizadas e interpretadas. Se a visão e a audição, se sobrepõem às demais, haverá um processamento deficitário e que poderá desenvolver sérios problemas para integrar todas essas sensações, e portanto, dificuldades em se desenvolver de modo integral, a seguir.

A VIDA LÁ FORA

Os hábitos familiares ligados aos aspectos cotidianos como dormir, comer, passear, estão sofrendo modificações a partir do uso das mídias digitais. A cena de encontrar em restaurantes as crianças com um tablet ou celular, ambos usados como entretenimento na hora da refeição, ou mesmo sendo usados quando os pais se deslocam no transito para que a criança não tenha qualquer incômodo, são alguns exemplos do que estamos vendo atualmente.

Em relação à alimentação, sem sentir fome ou saciedade, os alimentos penetram na boca da criança sem que o gosto, o sabor, o cheiro, o olhar, as pausas, as conversas ocorram e sem desejos ou vontades, como se tudo fosse no “automático” ou com distorções de imagens dos alimentos vistos nas telas.

Passear de carro, viajar de ônibus ou mesmo ficar no carrinho de bebê, deixam de ser vivenciados quando se coloca qualquer imagem de telas à frente da criança: os deslocamentos, os barulhos, as conversas, os problemas, as chatices, as esperas, a tolerância, as relações dos comportamentos dos que estão em volta, as filas… nada disso é percebido pela criança. Ela não experimenta o que se passa nessas situações, pois está absorvida pela tela.

O que entra em jogo nestas e noutras situações é uma adulteração das relações entre demanda/necessidade/prazer/satisfação. A criança vidrada na tela durante esses acontecimentos cotidianos, faz com que não haja espaço entre a demanda e a satisfação, portanto, também para desenvolver a criatividade nesse espaço (o que faço nesse momento de espera, de tédio, de buraco?), consequentemente, nessa impossibilidade de administrar o tempo e as realidades à volta, ocorrem desequilíbrios entre as frustrações e a tolerância necessária que as relações exigem, tanto com o “outro” e consigo mesma.

O uso do mundo digitalpelas crianças de 0 a 3 anos

O BEBÊ VIDRADO

É enganoso também evocar a autoridade do cérebro para justificar o uso de computadores ou eletrônicos para o desenvolvimento de uma criança em sua primeira infância. Em seus dois primeiros anos de vida um estímulo prioritário e muito forte pode prejudicar o que se chama fenômeno de habituação, capacidade do bebê em se desvencilhar de um estímulo excessivo e que não lhe agrada (prazer/dor) ou que lhe amedronta (medo/insatisfação).

Uma das principais características do mundo digital é o seu poder de super estimulação visual em detrimento de todos os outros sentidos. A luminosidade que emana, seu super colorido e os movimentos de seus objetos e personagens, impõem à criança uma dificuldade maior também para se desligar dessa super estimulação. É a criança “vidrada”, “fascinada” que é bem diferente da criança “atenta”. A audição normalmente fica submetida a musicas em tempo binários e movimentos acelerados e bidimensionais que muito mais ajudam a criança ficar “mais vidrada”, e do modo algum se configuram como uma sonoridade que facilite a discriminação auditiva, excluindo portanto a relação com o prazer musical.

SEM DIMENSÕES ESPAÇO TEMPORAIS

A não experimentação do corpo (desde o seu rolamento aos 4 meses) e a falta da tridimensionalidade das experiências também afetarão na percepção do seu próprio corpo e na construção da imagem corporal, o que influenciará na construção das representações do tempo, espaço e de profundidade. As conseqüências podem ser, desde dificuldades de orientações espaciais até as dificuldades na aprendizagem da matemática. Ex: movimentação do corpo em blocos ou a lateralidade (a criança nas suas movimentações, não consegue separar um lado do outro lado, membros inferiores e superiores, dentre outras coisas, o que vai impactar em quase todas as suas tarefas diárias, pois toda criança é ambidestra até os 6 anos, quando irá se estabelecer a dominância do hemisfério cerebral e por isso é preciso que a criança aprenda a se movimentar e ativamente), analfabetismo corporal (a criança não consegue realizar tarefas que exigem coordenações mais elaboradas, por exemplo: calçar o sapato), inseguranças (por não experimentar as coordenações espaço temporais, a insegurança também pode aparecer de modo impeditivo, não brinca de correr, não desce uma escorregadeira, não joga bola ou futebol, prefere começar a dizer “não gosto de fazer isso”, portanto não constrói a noção espacial e temporal consequentemente, e começa a ter medo de explorar o mundo externo à sua volta.

INTERAÇÃO SEM RESPOSTA

Um bebê que olha um adulto, precisa de tempo para conseguir fazê-lo. E ele precisa olhar com cuidado nos detalhes para se relacionar, imitar, ter afetos, aprender pois trata-se de um diálogo afetivo e postural. O adulto recebe do bebê ações que o convocam quase sempre a proteger e acolher a cada vez de modo diferente, promovendo diferentes sentidos. A repetição de imagens que independam das ações do bebê prejudicam seus processos de identificações, podendo torná-lo rígido e estereotipado nas relações. Além do que, o ritmo, nas relações com as telas, quase sempre é determinado pelas telas e por seus personagens, nada que a criança faça ou sinta ou expresse com seu sorriso ou choro, modificará as reações dos personagens.

A VIDA SEM LIMITES

O uso das telas para que os adultos não precisem dar limites, dizer “não”, acompanhar e educar, tem trazido prejuízos à construção das bordas e limites corporais e também das relações com autoridade. A criança “quieta” porque está distraída, entretida ou fascinada com uma imagem, não é uma criança educada, é somente uma criança passiva em frente às telas. Da mesma maneira uma criança “agitada” é somente uma criança que está tentando chamar atenção mesmo que negativa sobre si mesma, pois essa “agitação” é também aprendida nas imagens em movimento acelerado nas telas. Não existem pausas e nem descanso para o relaxamento e as mudanças entre o que é o começo e o que é o final de qualquer tarefa das rotinas diárias (a diferença nas brincadeirinhas e nas rotinas entre o “acabou” e o “de novo”)

Desde bebê, esse tipo de uso impede que a criança apreenda e experimente quais são seus próprios limites corporais e o que não pode fazer e diferencie do que é permitido fazer.

O limite é dado artificialmente por uma entidade externa aos cuidadores importantes da criança e não existe um “NÂO” ou só existe quando o equipamento é desligado ou desconectado da “fonte de energia”, mas nenhuma criança é “on-off” como se fosse uma máquina.

UM BEBÊ SOZINHO

Os cuidadores principais, mãe, pai, avós, irmãos, familiares e as pessoas do convívio contínuo, para além dos cuidados de sobrevivência, oferecem os afetos e os significados necessários para que um bebê possa fazer as leituras e aprender a descobrir sobre o mundo à sua volta.

Sem palavras e sem intermediação do outro, as crianças “de fraldas” expostas às telas, como uma babá eletrônica ou robotizada, experimentam somente relações que passam a ser investidas por imagens impessoais, sem afeto e que como são padronizadas, serão invasivas e sempre presentes na vida da criança, sem as flexibilidades ou regulações comuns das relações humanas. É tudo ou nada (tela ligada x tela desligada).

CADÊ O CUIDADOR

Os cuidadores que ficam também ocupados diante das telas da televisão ou do smartphone, por exemplo, durante as refeições ou nos finais-de-semana, sem “prestar atenção” à criança, não compartilham, não afirmam ou mostram gosto ou desgosto com as experiências e atividades das crianças, os bebês e as crianças menores, que precisam compartilhar em busca do “assentimento” adulto, passam a “desistir” de ganhar esta atenção.

Filmagens de crianças que viram totem idealizados ou mesmo monetizados (como objetos de lucro) para serem “postadas” como fetiches ou idealizadas em sua inocência ou mesmo abusadas e exploradas sexualmente ou violentadas, muitas vezes distorcidas em imagens produzidas ou “fake” (sorrisos agora para as telas) e que perdem a espontaneidade do momento. Assistimos ao gozo com o sofrimento, que pode ir desde a indiferença aos maus tratos nos cuidados com a criança.

SEM FALTAS

Super presença das telas no cotidiano, com muitas horas “ligadas” (duração e frequência no meio de rotinas como nas horas de refeições ou antes das horas de dormir) compromete o simbólico (que é construído pelo par presença/ausência), e desenvolve a crença que o outro está sempre disponível ali na frente ou no toque dos dedos ao deslizar das telas e imagens no celular. Isolamento e redução dos laços sociais: o outro digital não me oferta nada no par amar-ser amado. (Dunkan, 2017). Importante também enfatizar o início dos problemas como os transtornos de sono, pois o tempo para dormir, descansar e acalmar não é respeitado com as telas ligadas, com ruídos altos, movimentos e cores brilhantes que nunca desligam ou são desligadas.

CONCLUINDO

O uso do mundo digital por crianças de 0 a 3 anos de idade num período fundamental de crescimento e desenvolvimento cerebral e mental é prejudicial e, portanto, não se recomenda o oferecimento de telefone celular ou smartphone como um “brinquedo” ou “distração” segundo os autores e em concordância com as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Academia Americana de Pediatria (AAP).

Leia também: INFÂNCIA DIGITAL – O PERIGO DA DESCONEXÃO COM A VIDA

Abraço carinhoso

Ana Lúcia Machado

 

SÍNDROME DE DOWN – HISTÓRIAS DE QUEM CONQUISTOU SEU LUGAR AO SOL

Síndrome de Down

 

21 de março, Dia Internacional da Síndrome de Down. Como se sabe, esta síndrome é caracterizada pela quantidade maior de material  cromossômico – três cromossomos 21  –  21/3  – daí a razão da data escolhida.

AVANÇOS E DESAFIOS DA SÍNDROME DE DOWN

Há 30 anos, crianças com Síndrome de Down, autistas, paralisia cerebral, etc,  eram enclausuradas em casa ou institucionalizadas. Em artigo já publicado aqui no Educando Tudo Muda, sabemos que as mudanças sociais ocorridas nas últimas décadas  promoveram maior qualidade de vida para essas crianças.

Leia também: SÍNDROME DE DOWN – O QUE MUDOU NAS ÚLTIMAS DÉCADAS

Elas não frequentavam escolas, pois não havia leis que garantissem a matrícula de crianças com deficiência.  A acessibilidade e mobilidade urbana era  precária, não existiam rampas que facilitassem a locomoção.

Os pais de filhos com Síndrome de Down foram os precursores na luta pela inclusão. Hoje elas estão nas ruas, nos parques públicos, nas escolas. As vemos crescer, estudar, namorar, cursar universidades, trabalhar e casar.

Hoje a Síndrome de Down não é mais vista como uma questão de saúde, mais sim como uma condição da existência, assim como um indivíduo tem olhos castanhos, é loiro, etc.

Equipes multiprofissionais de estimulação precoce trabalham essas crianças  desde o nascimento. As famílias por sua vez estão atentas na construção da autoconfiança e estímulo da socialização de seus filhos. Há um trabalho intenso visando autonomia e independência desse indivíduo em cada etapa do seu desenvolvimento.

Cada bebê que chega ao mundo é único e capaz de desenvolver seus talentos. Não devemos aceitar rótulos que coloquem o ser humano em caixinhas, e diagnósticos que abafem seu  potencial, aprisione sua essência.

Apesar dos avanços e conquistas sociais, temos uma longa caminhada. O sistema educacional  é um dos grandes desafios. Fala-se em educação inclusiva há 20 anos, entretanto ela ainda está engatinhando no Brasil. O que se vê até o momento é muito despreparo das instituições educacionais. Há muita dificuldade quanto ao reconhecimento e acolhimento da singularidade da criança. É preciso buscar amadurecimento em relação à convivência com as diferenças  e  a valorização do aprendizado por meio da diversidade.

Outra grande barreira é quanto ao mercado de trabalho, pelo desconhecimento por parte das empresas do valor que esses jovens profissionais que conseguem transpor todas as barreiras,  podem agregar.

 

HISTÓRIAS DE SUPERAÇÃO

Aqui temos o exemplo de pessoas que apoiadas por seus familiares superaram dificuldades e conquistaram seu lugar ao Sol. Conheça algumas trajetórias de sucesso:

 

Síndrome de Down

Débora Seabra de Moura, 34 anos, professora

Débora é professora assistente numa escola tradicional de Natal (RN), e atua na educação há 12 anos. Sempre estudou em escolas da rede regular de ensino e enfrentou muitas batalhas. Hoje palestra pelo Brasil e outros países falando sobre o preconceito em sala de aula.

É autora do livro “Débora Conta Histórias” (Alfaguara Brasil), de fábulas infantis que tratam de forma sutil a tolerância, o respeito e a amizade.

Em 2015, ganhou o Prêmio Darcy Ribeiro de Educação, em Brasília. Foi considerada exemplo no desenvolvimento de ações educativas no Brasil.

 

Síndrome de Down

Fernanda Honorato, 36 anos, jornalista

Fernanda é repórter do “Programa Especial” na TV Brasil. Primeira repórter com Síndrome de Down do país. Foi reconhecida na categoria Trabalho Social durante a 22ª edição do Prêmio Claudia em 2017.

Fernanda fez sua primeira sessão de fisioterapia aos 23 dias de vida.  Conquistou sua independência e hoje também ministra palestras sobre inclusão por todo o país. Ela dá um conselho aos pais: “Sempre digo às mães de crianças com Síndrome de Down para não desistirem dos sonhos e acreditarem no potencial dos filhos”.

 

 

 

Síndrome de DownBreno Viola, 37 anos, judoca

Breno é a primeira pessoa com Síndrome de Down faixa preta de 3º Dan. Participou de dois Mundiais em sua categoria, feito que fizeram dele uma referência internacional quando o assunto é inserção de pessoas com Síndrome de Down. Foi campeão em Clacton, Inglaterra. Ele conta que desde pequeno acompanhava o treinamento de seu pai e seu irmão e isso o motivou a querer fazer parte da seleção.

O atleta foi convidado para participar do Instituto de Projetos e Ações Sociais Dr. João Pallotino, do Rio, como inspiração e exemplo para aqueles que precisam de uma força na luta do dia a dia. A entidade é responsável por ações que buscam o desenvolvimento social de crianças, jovens e adultos.

Em todas as declarações de Breno, ele ressalta a importância do apoio de sua família para a superação de todos os obstáculos e a conquista de tantas medalhas.

Temos muito a comemorar e muito a fazer ainda em prol da inclusão social, pois cada ser humano tem o direito á condições que favoreçam o desenvolvimento de suas potencialidades.

Um mundo sustentável é aquele em que todos os cidadãos encontram-se inseridos na sociedade de forma digna.

Afinal, o Sol brilha para todos!

Abraço carinhoso

Ana Lúcia Machado

INFÂNCIA AMEAÇADA – O QUE VEM ADOECENDO AS CRIANÇAS? ALERTA À SOCIEDADE AOS DESAFIOS DA PRIMEIRA INFÂNCIA

Infância ameaçada

 

Infância ameaçada – um alerta à sociedade. O que vem adoecendo as crianças? O cenário atual da Primeira Infância apresenta muitos desafios para toda a sociedade.

A Infância vive um momento de grande complexidade e se encontra no centro das incertezas desta época, expondo as crianças precocemente às mesmas angústias que os adultos estão sujeitos.

As mudanças sociais ocorridas nas últimas décadas alteraram de forma considerável a estrutura da vida familiar e seus reflexos podem ser observados nitidamente na vida da criança.

 

Infância ameaçada

Os hábitos cotidianos transformaram-se significativamente, modificando o ritmo e a rotina dos pequenos, com estilos de vida mais individuais, sedentários, que desfavorecem o convívio social, atividades físicas, o exercício imaginativo, e a autonomia infantil.

A crescente urbanização, associada ao medo pelo aumento da violência, ergueu muros, produziu isolamento e contribuiu para uma cultura de confinamento.

Além disso, valores da sociedade de consumo tomaram conta do universo da criança, que exposta intensamente a conteúdos de natureza mercadológica e seduzida por apelos do mundo moderno com suas novas tecnologias, vê seu tempo e espaço lúdico invadido e reduzido.

No mundo da criança, a tecnologia passou a ocupar um lugar de destaque. As telas estão roubando um tempo precioso da criança – o tempo do  brincar, uma atividade fundamental para o desenvolvimento infantil em todos os aspectos, físico, emocional, cognitivo, social e espiritual.

Infância ameaçada

Foto: Shutterstock

E mais, a cultura escolar atual com seus testes, ranqueamentos e índices, tem sido a causa de grande ansiedade para as famílias e crianças.

A consciência intelectual adulta que é hoje imposta, sob pressão, na Primeira Infância, vai contra a natureza da criança. É desrespeitosa ao desenvolvimento integral infantil, isto é : o desenvolvimento intelectual, emocional , social e cultural.

A infância pede tempo e espaço para a ludicidade, a fantasia e imaginação. O aprendizado nesta fase se dá por meio de interações sociais afetivas e no contato com o mundo natural.

Onde poderá desembocar uma infância pobre em interações sociais, pressionada precocemente pelo sucesso acadêmico e competição, e ainda exageradamente tecnológica?

 

 

Leia também: SABOTADORES DA INFÂNCIA – DA ESCASSEZ AO EXCESSO

 

 

INFÂNCIA AMEAÇADA

O modus vivendi da sociedade contemporânea com seus excessos, vem adoecendo as crianças, a infância está ameaçada. Querem cedo demais tirar a criança do seu tempo e espaço natural de desenvolvimento. Querem cedo demais intelectualizar, adultizar, atrofiar os sentidos, limitar a curiosidade e vontade da criança de explorar e vivenciar o mundo livremente, empobrecendo assim sua imaginação e criatividade.

O que estamos fazendo com a infância?

Infância ameaçada

Dados mundiais apresentados pelo psicólogo Peter Gray na 20ª Reunião Internacional da Associação Internacional do Brincar – IPA, que aconteceu em setembro do ano passado em Calgary – Canadá, revelam que a depressão infantil já é de 7 a 10 vezes maior que nos anos 60, os transtornos de ansiedade entre as crianças cresceu até 18 vezes e as taxas de suicídios até 15 anos estão 4 vezes maiores. Ao mesmo tempo, o brincar livre das crianças vem diminuindo significativamente desde 1955. Tudo isso indica que a infância está ameaçada.

 

O que podemos fazer para promover mudanças?
Qual a nossa responsabilidade perante essa geração de crianças estressadas? Que futuro estamos projetando para elas?

O crítico social americano, Neil Postman (1931-2003), em seu livro O desaparecimento da Infância, publicado originalmente em 1982, analisa o cenário social da época e profetiza os rumos assustadores da infância a partir da conexão da infância com a comunicação. Postman aponta as condições niveladoras do acesso a informações entre adultos e crianças, cada dia mais intensa, como um dos responsáveis pelo desaparecimento da infância e diz

“Se despejarmos sobre as crianças uma vasta quantidade de material adulto da pesada, a infância não poderá sobreviver”.

Não é o que temos feito? Este livro é leitura obrigatória para quem deseja se aprofundar nas questões sociais da infância.

 

UM CONVITE

Somos muitos preocupados com este cenário, o que nos confere poder para defender essa causa e batalhar pelo direito da criança viver sua infância sem opressão.

Convidamos pais, educadores, e  profissionais das mais diversas áreas que lidam com a Primeira Infância e que estejam nessa mesma inInfância ameaçadaquietação,  a  se juntar  a nós.

Temos a responsabilidade de desenvolver uma consciência que entenda a cultura da infância como uma etapa particular do processo de iniciação do humano, de forma a garantir a sobrevivência de nossa espécie. Nossa capacidade de viver neste planeta depende de soluções inovadoras e do olhar atento ao começo da vida, à garantia da saúde da Infância.

Compartilhe este texto e deixe seu comentário para que possamos refletir sobre mudanças que favoreçam a vida das crianças na atualidade.

Entre em contato com o Educando Tudo Muda caso sua escola ou comunidade tenha interesse em nossas palestras a respeito desse  tema.

Infância ameaçada – conscientizar e questionar, eis os  primeiros passos para quebra de paradigmas e transformação do mundo.

 

Abraço esperançoso

Ana Lúcia Machado

 

 

MEMÓRIAS DE INFÂNCIA – FONTE DE VIDA

memórias de infância fonte de vida

 

memórias de infância força da vidaMemórias de infância, você conhece o poder que elas tem? São fonte de vida.

A infância é o período no qual edificamos as bases que sustentarão tudo o que virá depois – chão firme que apoiará todos os passos. É também um fase mágica, onde o brincar e a imaginação constroem memórias afetivas cheias de significado que irão perdurar por toda a existência.

Engana-se quem pensa que o começo da vida é uma etapa que fica para trás depois que viramos adultos. É um ciclo vivo, que volta, e se renova. Ecos da criança que fomos continuam a ressoar dentro de nós no decorrer da vida.

Nas palavras do romancista Franz Hellens

A infância não é uma coisa que morre em nós e seca uma vez cumprido o seu ciclo. Não é uma lembrança. É o mais vivo dos tesouros e continua a nos enriquecer sem que o saibamos

 

São essas memórias que trazem alento e vitalidade na fase adulta. Recordações pueris que representam refúgio nos momentos mais difíceis da trajetória humana.

memórias de infância fonte de vida

Além disso, acessar as memórias de infância é sinônimo de renovação, energia e criatividade. Reconectar-se com a criança interior auxilia no relacionamento e educação dos filhos. No caso de profissionais que lidam com crianças, contribui para a formação de vínculos e compreensão sobre o universo infantil.

O nascimento de uma criança é momento de renascimento dos pais. Temos diante de nós, nossa própria concepção. Ao olhar a criança, descobrimos a nós mesmos, como uma imagem refletida no espelho.

Quando a criança nasce, o ser mãe, e o ser pai, nascem juntos. À medida que o bebê vai crescendo, amadurecemos e nos desenvolvemos na qualidade de pais.

 

Memórias de infância como aliadas

As memórias de infância são grandes aliadas no processo de educação dos filhos. Elas dão energia e ao mesmo tempo nos tornam mais sensíveis ao universo infantil, por nos aproximar da essência da criança.

Enquanto os filhos crescem, temos a nossa frente oportunidade de viver de novo a própria infância. É um período rico de crescimento para os pais, uma vez que a maternidade e a paternidade são uma construção contínua.

Recordar a infância nos permite reviver sentimentos potentes que ajudam na tarefa desafiadora de educar. A intuição é ativada por esses sentimentos que emergem das profundezas, nos tornando mais confiantes.

 

Leia também:

DE QUE É FEITA A INFÂNCIA?

SABOTADORES DA INFÂNCIA

 

 

Mais do que dicas de livros que sugerem como agir com os pequenos,  o que realmente precisamos é nos ancorar na sabedoria que carregamos dentro de nós por meio das próprias experiências como adultos e vivências infantis.

memórias de infância fonte de vida

Podemos afirmar que as memórias de infância tem a função de guardiã e facilitadora  da infância dos filhos.

Nesta trajetória de volta ao começo é possível descobrir a existência de uma memória imaginária, livre da rigidez de fatos reais na linha do tempo, pois a infância ultrapassa esses limites e avança para uma memória reinventada, à medida que aquele que recorda não é mais o mesmo que vivenciou as experiências.  O vivido, o sonhado e imaginado se fundem, fazendo renascer a força da infância – uma força a favor da vida.

Passear por quintais de outras infâncias também pode trazer muito vigor e instigar um repertório lúdico para ser exercitado com as crianças. É uma forma de nutrir o olhar, aumentar a capacidade de escuta e assim desfrutar de ótimos momentos em família. Há excelentes livros de autores que se debruçaram sobre o relato de suas memórias de infância. Mas esse é assunto para outro artigo.

 

Ana Lúcia Machado

abraço carinhoso

 

 

 

COMO TORNAR-SE PROFESSOR NOTA 10 E CONCORRER AO NOBEL DA EDUCAÇÃO EM 7 LIÇÕES

Professor nota 10 Nobel da Educação

 

Como tornar-se Professor  Nota 10 e concorrer ao Nobel da Educação – eis as lições que o brasileiro finalista ao Global Teacher Prize tem a ensinar em 7 lições.

Passei a semana pesquisando e lendo todas as entrevistas concedidas pelo brasileiro Diego Mahfouz Faria Lima – finalista ao Global Teacher Prize de 2017 – com o intuito de absorver as lições que sua trajetória como educador tem a ensinar aos professores brasileiros que desejam fazer diferença no atual cenário da Educação em nosso país.

Professor nota 10 Nobel da Educação

Foto: The Global Teacher Prize

Mas antes  é preciso explicar que o Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação, é um dos maiores prêmios para professores  que reconhece trabalhos de excelência na Educação Básica do mundo todo;  concedido desde 2015 às iniciativas dos docentes que causam impacto na aprendizagem dos estudantes e também na comunidade.

Concorrem apenas educadores que tenham atuado na Educação Básica com alunos entre 5 e 18 anos.  O objetivo é destacar a relevância dos professores, reconhecer seus esforços, disseminar ações diferenciadas e incentivar a busca pela qualidade na Educação.

Diego Mahfouz conquistou  o Prêmio Educador Nota 10, uma das maiores honrarias que um educador pode receber no Brasil e é agora um dos 10 finalistas ao Global Teacher Prize.

 

A conquista de Diego pode ser vista como exceção ou indica um novo tempo para a Educação no Brasil?

Vale ressaltar que Diego tem 30 anos, 14 dos quais dedicados à Educação. Na qualidade de estudante do magistério, disse que ficou encantado ao ver as crianças pequenas chegando sem saber ler e escrever e saindo alfabetizadas. Esse processo foi o que o despertou para a área.

Sua trajetória é marcada por muita dedicação, trabalho exaustivo e superação de desafios. O que sempre lhe rendeu novos convites para voos mais altos – da sala de aula para a coordenação pedagógica.

Professor nota 10 Nobel da Educação

Foto: Gestão Escolar

Como mostrou capacidade de gerenciar tanto o pedagógico quanto o administrativo, logo chegou à vice-direção, e na sequência à direção de uma das escolas com fama de ser uma das piores da região: violência, alunos armados, tráfego de drogas, paredes queimadas por fogo, banheiros sem vasos, salas sem portas, etc.

Num cenário desolador, Diego assumiu atitude de protagonista das mudanças que sempre desejou ver na Educação brasileira. Virou o jogo. De 60 alunos suspensos por semana, reduziu este número a 0.  Diminuiu a evasão escolar de 200 alunos para 2.

 

Qual o segredo da transformação ocorrida na Escola Municipal Darcy Ribeiro de São José do Rio Preto (SP), sob a direção de Diego Mahfouz?

Ele revela que foi  por meio de uma gestão participativa e democrática, com mediação de conflitos entre pares, tutoria, mudança no modelo de avaliações, projetos extra-curriculares e atividades aos finais de semana, que ele virou esse jogo.

Com o engajamento de toda a comunidade –  famílias, alunos, professores e funcionários, foi possível a revitalização do espaço físico, das relações, a transformação do olhar para a aprendizagem, e da maneira de lidar com indisciplina.

Diego diz que

“Um diretor sozinho não consegue administrar e gerir uma escola. Sem apoio dos envolvidos não se gera identidade perante a comunidade, indo além dos muros da escola. O ponto da virada acontece quando o medo vira pertencimento”

 

Vamos às lições que esse Educador Nota 10 tem a ensinar

 

Lição 1

Promover a mudança no olhar da equipe, dos alunos e da comunidade externa e engajá-los no sonho de ser uma escola melhor para todos

Lição 2

Conhecer a comunidade, suas necessidades, anseios, medos. Ter interesse real por ela, promovendo a escuta por meio de pesquisa – questionário simples, e conversas.

Lição 3

Engajar a comunidade e torna-la parceira

Lição 4

Dar voz aos alunos e permitir que sejam protagonistas

Lição 5

Exercício do diálogo, da comunicação não-violenta

Lição 6

Mediação de conflitos

Lição 7

Gestão democrática com instituição de assembleias e Grêmio estudantil

 

Resta agora estudar cada lição e coloca-las em prática.

Acesse AQUI a entrevista do diretor concedida a Laís Semis do site Gestão Escolar.

Há excelentes professores na Educação Básica no Brasil, educadores dedicados que sentem satisfação em ensinar e despertar a alegria em aprender. Entretanto sabemos dos enormes desafios na Educação brasileira – baixo salários, desvalorização da carreira, precariedade da infraestrutura, etc.

 

Leia também: PROFESSORES: REFÉNS DE UM TEMPO TAREFEIRO?

 

Todavia, a despeito do cenário desfavorável, professores e professoras precisam assumir atitude pró ativa e promover profundas mudanças nas comunidades em que vivem.

Que possamos aproveitar os bons ventos que sopram,  e perceber o momento oportuno de mudanças nos inspirando no exemplo das ações do Diego e em suas palavras:

Professor nota 10 Nobel da Educação

Foto: Nova Escola

 

“Apesar de todas as dificuldades que encontramos no dia a dia do professor, temos que lembrar que nossa profissão é capaz de transformar vidas e todo seu entorno e precisamos assumir o papel de agente transformador”

 

 

 

Parabéns Diego, estamos torcendo por você nessa reta final.

Abraço carinhoso

Ana Lúcia Machado

BRINQUEDO COLETIVO – UM BRINQUEDO PARA CHAMAR DE NOSSO

 

Acompanhe a surpreendente história de um brinquedo coletivo numa noite de Natal – um brinquedo para chamar de nosso, um presente para todos.

Já fui criança e sei bem o quanto é difícil dividir os brinquedos com os irmãos, primos, e amiguinhos. Para a criança “tudo é meu”, não é mesmo?

brinquedo coletivo

A dificuldade em dividir na maioria das vezes começa por volta de 1 aninho. Tem seu ápice aos 3, e espera-se que em torno de 6 anos,  a criança já saiba  compartilhar, tornando-se um ser cada vez mais sociável.

Apesar de conhecedora dessa faceta infantil, no final do ano fui tomada pela ideia de comprar de presente de Natal para meus 8 sobrinhos pequenos, um único presente, um presente que pudesse ser compartilhado entre eles –  um brinquedo coletivo.

 

E foi assim que depois de pensar e pesquisar, cheguei ao presente ideal: um quebra-cabeça de madeira. Escolhi o quebra-cabeça da história da Arca de Noé e acrescentei ao pacote um livro apaixonante de Mariana Caltabiano chamado Arca de Ninguém, onde a autora faz uma releitura divertida dessa história bíblica. Sou fã desse livro que relata as dificuldades que Noé enfrentou ao tentar convencer os animais a entrar na arca.

 

Na noite de Natal

Brinquedo coletivo

reuni a minha volta todos os sobrinhos para a entrega do presente.  De frente àqueles olhinhos brilhantes, disse  que aquele brinquedo era de todos eles e fui citando cada nome.

Expliquei que por ser de todos,  o brinquedo coletivo ficaria um pouco na casa de cada um e que eles deveriam ter muito cuidado para conservar o brinquedo afim de que nenhuma peça se perdesse.

Disse ainda que pedissem ao papai e a mamãe para brincarem junto com eles,  ajudando-os na montagem do quebra-cabeça e lendo o livro. E ao final da noite, sorteamos uma criança para levar o brinquedo coletivo para casa.

 

 

 

Semanas atrás fui surpreendida com esse vídeo compartilhado no grupo de WhatsApp da família. É minha sobrinha, a mais velha da turma – 5 e 1/2 anos, fazendo o sorteio da temporada seguinte do brinquedo. Foi então que percebi o quanto a ideia deu certo. Há entusiasmo e alegria em sua fala, olhar e gestos quando ela diz:

– Oi primos, vamos fazer o sorteio do brinquedo compartilhado?

Lindo não é mesmo? Confesso que fiquei emocionada, e respondi ao grupo do WhatsApp:

 

-Vá brinquedo, vá. Vá brinquedo coletivo fazer outra criança feliz! Vá brinquedo compartilhado acolher outros sorrisos, juntar outras famílias num ritual de alegria e amor. Vá ser cuidado por outras mãozinhas, e fazer parte da memória de outras infâncias.

 

 

brinquedo coletivo

NOVOS TEMPOS

Vivemos um tempo de muitas mudanças. Um tempo em que a posse está se tornando menos importante que o acesso. O compartilhamento de bens de consumo tem se popularizado, transformando completamente o mercado, a economia.

Temos muito a aprender com as crianças sobre o valor do compartilhamento. Elas estão abertas a um mundo colaborativo, um mundo onde o “é nosso” tem mais valor do que o “é meu”.

 

Que possamos nos entusiasmar por essa ideia e entrarmos de cabeça nesses novos tempos!

Se quiser se divertir com a história da Arca de Ninguém, fica aqui o link para você adquirir o livro. Vale a pena a leitura!

Abraço carinhoso

Ana Lúcia Machado