ana-lucia-machado

Dentro de mim vive a arteira, e também a tricoteira
Que entre um ponto tricô e um meia
Tece também a namoradeira no sofá da sala
Que seduz seu homem
E o convence a levar a cama para a varanda
Em noites claras de luar.

Carrego comigo a violeira e também a costureira
Entre cordas, dedilhados, linhas e agulhas
Preparo um concerto musical
Além de um conserto no lençol esgarçado no varal
Sobretudo costuro meu lado de dentro com meu lado de fora.

Entre tantas, sou menina,
Criança curiosa, alegre e brincalhona.
Com a boneca, a bola e a bicicleta
Meu desejo é explorar o mundo
E tornar me eterna aprendiz.

Entre tantas, sou bailarina
Salto, rodopio, crio asas prá voar
Com gingados e requebros
Conquisto a euforia de quadris dançantes.

Carrego comigo a cantora, e também a pintora
Entre notas, acordes, uma 8ª acima, às vezes abaixo
Me encanto com a roda das cores,
Vibrantes, tons sobre tons,
Na tela da vida, pincelada no dia a dia.

Dentro de mim vive a pesquisadora, a investigadora
Aquela que tem fome de conhecer o ser humano e
Despertar seus potenciais
Para a transformação do mundo.

Carrego comigo a blogueira, e também a cozinheira
Que entre potes e posts,
Especiarias e temperos
Refoga em fogo lento, a conselheira
Atenta às necessidades do mundo.

Levo comigo a educadora, e também a escritora
Que em meio a livros e palavras, constrói a empreendedora
Dando a luz um novo projeto,
Parindo o blog Educando Tudo Muda

Sou só uma, mas sou tantas,
Amante da vida, companheira, filha,
Mãe, irmã, tia, amiga
E sou grata por ser tantas!

Sou também poeta
Não nasci Cecília,
Não tornei me Adélia,
Nem mesmo Clarice,
Mas sou feita do mesmo material.
Um pouco de mel,
Misturado com sonhos, e angústia.
Com uma pitada de fel,
Me fiz como elas, mulher.
Trago em minha alma o caos,
No ventre a esperança,
No peito uma triste melodia,
Que componho a cada dia
Com a ânsia que sinto pela vida.

Sou artista do cotidiano
Muito prazer, sou Ana Lúcia Machado.

Paulistana , graduada em Relações Públicas pela Faculdade de Comunicação Social Casper Líbero. Publicitária, com atuação nos principais veículos de comunicação do país: TV Gazeta, Editora Abril, Rádio Globo, Rádio CBN e Rádio Eldorado.

Com cursos em “Pedagogia Waldorf” pelo Centro de Formação de Professores Waldorf de São Paulo, e “Transdisciplinariedade em Educação, Saúde, Liderança, e Cultura de Paz”, pela UNIPAZ.

Autora do livro “Clarear a pedagogia Waldorf em debate”, publicado em dezembro de 2010. Indicado pelo site Net Educação como um dos 10 melhores livros para entender o método Waldorf http://neteducacao.com.br/noticias/home/pedagogia-waldorf-10-livros-para-entender-este-metodo-de-ensino

Educadora, artesã e pesquisadora dos temas autoconhecimento/autoeducação, cultura da infância e arte na educação. Integrante do Grupo de estudos INTERESPE – Interdisciplinaridade e Espiritualidade na Educação, organizado pelo Professor, doutor Ruy Cesar do Espírito Santo na PUC de São Paulo.

Idealizadora e fundadora do blog “Educando tudo muda”, focado em projetos educacionais de cuidados e valorização da primeira infância e reconexão da criança à natureza.

Nós não nascemos prontos, somos seres em construção. Ao longo da vida, num processo doloroso e ao mesmo tempo lindo, vamos crescendo, amadurecendo, nos construindo. O trabalho de autoconhecimento e autoeducação é o processo que permite nos tornamos seres humanos melhores a cada dia, modelos mais adequados para as gerações mais jovens, para as crianças que sempre se espelham nos adultos que as cercam.

É importante compreender que a infância é o alicerce desta grande construção humana. Este período chamado primeira infância, que vai até os 6 anos de idade,, exerce um papel de fundamental importância ao longo da vida. É nosso dever respeitar e proteger esta fase da vida, que tem sido tão acelerada, abandonada pela sociedade contemporânea. É nosso dever olhar para a infância entendendo que ela é a base sobre a qual cada ser humano constrói a sua própria existência. Precisamos cuidar da infância para formarmos seres humanos melhores, íntegros.

Desta maneira, a educação deve ser assimilada como um processo contínuo ao longo da existência de cada ser humano. E quando falamos da educação da criança, devemos entender que após o nascimento, a criança passa pela 2ª Gestação, uma gestação extra uterina e social. Ao nascer a criança é entregue nas mãos humanas, num verdadeiro útero social formado pela família, pela escola e por toda a sociedade.

Quando uma criança nasce, o mundo torna a começar , e se mudarmos o começo da história de uma criança, criaremos a possibilidade de mudança da história inteira. Esta é a grande sacada. A educação formal convencional, tem causado um grande desinteresse por parte das crianças. Durante muito tempo o sistema educacional privilegiou o desenvolvimento do lado cognitivo, deixando em segundo plano o corpo e a alma infantil. Mas isso está mudando. Escolas com novas propostas estão surgindo. É preciso reencantar a educação, com uma linguagem que fale à alma da criança. A arte é o caminho que permite o desenvolvimento harmônico da criança, porque ela é a linguagem do coração. A arte permeia a razão e a conecta ao lado anímico da criança, fortalecendo a sua vontade, o seu fazer.

Este trabalho pretende interligar o processo de autoeducação, a criança e a arte.
EducandoTudoMuda, está voltado à criação e desenvolvimento de projetos educacionais com foco no autoconhecimento, cultura da infância e arte na educação para atender as necessidades de pais, educadores, crianças, jovens e todos aqueles que se intitulam eternos aprendizes.